sexta-feira, 20 de março de 2009

Segredos do Calendário Maia


Nós dividimos o tempo em começo e fim - dias, semanas, meses, anos, séculos - é o que se foi e o que vira. Para os Maias cada dia tinha o seu significado. A grande importância dada pelos Maias à medição do tempo decorre da concepção que tinham de que tempo e espaço, em verdade, tratam-se de uma só coisa e que flui não linearmente, como na convenção européia ocidental, mas circularmente, isto é, em ciclos repetitivos. A civilização Maia criou o calendário mais preciso da história, fazendo uso de cálculos exatos da rotação da Terra e dos ciclos lunar e solar, eles criaram dois calendários: solar, Haab de 365 dias e meio e outro sagrado, Tzol´kin de 260 dias. Os dois se combinavam para criar ciclos de 52 anos. O Calendário Maia prevê o final do ciclo atual no ano de 2012, quando tudo se extinguirá para o início de uma nova era. Cada dia, ano, década, século e milênio tinha seu deus próprio. Cada um dos vinte dias do mês tinha seu próprio nome. Os sacerdotes maias usavam o calendário para saber quando era favorável ou não, plantar, caçar, tecer…

Os Maias acreditavam que, conhecendo o passado e transportando as ocorrências para idêntico dia do ciclo futuro, os acontecimentos basicamente se repetiriam, podendo-se assim, prever o futuro e exercer poder sobre ele. Por esta razão, a adivinhação era a mais importante função da religião dos Maias. Os livros sagrados dos maias eram simultaneamente textos de história e de predição do futuro. Na perspectiva maia, passado, presente e futuro estão em uma mesma dimensão.

Assim que nascia uma criança, os Maias as apresentavam aos sacerdotes que, em função do dia do nascimento, adivinhavam a futura personalidade da criança, seus traços marcantes, suas propensões, habilidades e dificuldades, analogamente ao horóscopo mesopotâmico.

Até hoje os pesquisadores do mundo inteiro se intrigam diante das maravilhas deixadas por eles. Mas não são só os estudiosos que se interessam pelos Maias, existe um movimento que tenta instituir a “Lei do Tempo” com Calendário da Paz, que é baseado no calendário Maia.

Nenhum comentário: