terça-feira, 3 de novembro de 2015

O amor poderia nunca aquietar-se
O amor é triste quando se torna um tapete
Quieto no chão, debruçado no frio
O amor poderia dançar, girar todo tempo
Só descansar o corpo de quem ama
Na cama
E voltar, a todo momento bater na porta
Abrir as janelas, entrar
O amor só deveria aquietar-se no toque


[Virgínia Di Lauro]

Nenhum comentário: